MACAÚBA: PALMEIRA NATIVA COMO OPÇÃO BIOENERGÉTICA