Affordances in the home environment of children at risk of developmental delay

Resumo

Abstract Objective: The aim of this study was to verify the adequacy of affordances in the home environment of children at risk of developmental delay and to identify factors associated with their frequency. Methods: The cross-sectional study included 97 families who responded to the Affordances in the Home Environment for Motor Development — Infant Scale (AHEMD-IS) for 3–18 months (n=63), or AHEMD – Self-Report (AHEMD-SR) for 18–42 months (n=34). The Mann-Whitney U test was used to identify the differences between the frequencies of affordances between the groups. Multiple linear regression was used to verify the association between the child’s sex, mother’s marital status, education, socioeconomic level, child and mother’s ages, house residents’ number, per capita income, and AHEMD scores (α=0.05). Results: The home affordances’ frequency in the AHEMD-IS ranged from less than adequate to excellent, while in the AHEMD-SR, the highest predominance was medium. The offer of stimuli in the AHEMD-IS was significantly higher. Higher socioeconomic level and house residents’ number were associated with greater affordances. Conclusions: The higher the socioeconomic level and house residents’ number, the greater the affordances in the homes of children at risk of delay. It is necessary to provide families with some alternatives to make their home environments richer in affordances that favor child development. RESUMO Objetivo Verificar a adequação das oportunidades de ação no ambiente doméstico de crianças em risco de atraso no desenvolvimento e identificar fatores associados à sua frequência. Métodos Este estudo transversal incluiu 97 famílias que responderam ao Affordances in the Home Environment for Motor Development - Infant Scale (AHEMD-IS) para 3–18 meses (n=63) ou o Self Report (AHEMD-SR) para 18–42 meses (n=34). O teste de Mann-Whitney foi utilizado para identificar as diferenças entre as frequências de oportunidades de ação entre os grupos. A regressão linear múltipla foi utilizada para verificar a associação entre o sexo da criança, o estado civil, a escolaridade e nível socioeconômico da mãe, as idades da criança e da mãe, o número de residentes da casa, a renda per capita e os escores do AHEMD (α=0,05). Resultados A frequência das oportunidades de ação dos domicílios no AHEMD-IS variou de menos do que adequado a excelente; enquanto, no AHEMD-SR, a maior predominância foi de média frequência. A oferta de estímulos no AHEMD-IS foi significativamente maior. O maior nível socioeconômico e o número de moradores da casa foram associados a maiores oportunidades de ação. Conclusões Quanto maior o nível socioeconômico e o número de moradores, maiores são as oportunidades de ação nos domicílios das crianças em risco de atraso. É necessário oferecer às famílias algumas alternativas para tornar os seus ambientes domésticos mais ricos em oportunidades de ação que favoreçam o desenvolvimento infantil.


Descrição

Assunto

Child development, Environment, Low income, Risk factor, Desenvolvimento infantil, Meio ambiente, Baixa renda, Fator de risco

Citação

Coleções