Água levemente salinizada aumenta a eficiência da larvicultura de peixes neotropicais

Resumo

The objective of this work was to evaluate the effect of slightly saline water in an intensive larviculture of tambaqui, matrinxã, apaiari, and piau, during the initial days of active feeding. Larvae were reared in artificial saline water, at concentrations from 0 (freshwater) to 14 g L-1 NaCl (at a 2.0 g L-1), and fed with two portions of Artemia nauplii, following a specific protocol for each species, in a completely randomized design, with 3 replicates. Tambaqui, matrinxã and apaiari larvae can be reared at saline concentrations till 2 g L-1 without impairing growth and survival. Piau larvae were more tolerant and endured saline water until 4 g L-1. At saline concentrations above that, fish mortality increased and reached 100% at 6 g L-1, for matrinxã and apaiari, and at 10 g L-1, for tambaqui. Saline water at 2 g L-1 provided a higher survival for matrinxã, and higher growth for tambaqui, apaiari and piau. These last two species showed a better growth performance with the highest quantity of nauplii. Slightly saline water at 2 g L-1 is beneficial to these studied species, as it optimizes larval growth potential and the use of Artemia nauplii as live food. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de água levemente salinizada sobre a larvicultura intensiva do tambaqui, matrinxã, apaiari e piau, durante os dias iniciais de alimentação. As larvas foram mantidas em água artificialmente salinizada, em concentrações de 0 (água doce) a 14 g L-1 de NaCl (intervalo de 2,0 g L-1), e foram alimentadas com duas porções diárias de náuplios de Artemia, de acordo com protocolo para cada espécie, em delineamento inteiramente casualizado, com três repetições. Larvas de tambaqui, matrinxã e apaiari podem ser cultivadas em até 2 g L-1 de concentração salina, sem prejuízos ao crescimento e à sobrevivência. Larvas de piau foram mais tolerantes e suportaram até 4 g L-1 de concentração salina. Acima disto, a mortalidade dos peixes aumentou e chegou a 100% à concentração de 6 g L-1 (matrinxã e apaiari) e de 10 g L-1 (tambaqui). A salinização da água a 2 g L-1 proporcionou maior taxa de sobrevivência a larvas de matrinxã e maior crescimento a larvas de tambaqui, apaiari e piau. Estas duas últimas espécies apresentaram melhor crescimento com a maior quantidade de náuplios. Água salinizada a 2 g L-1 é benéfica para as espécies estudadas, pois otimiza o potencial de crescimento das larvas e o uso de náuplios de Artemia como alimento vivo.


Descrição

Assunto

Astronotus ocellatus, Brycon amazonicus, Colossoma macropomum, Leporinus macrocephalus, alimento vivo, náuplios de Artemia, Astronotus ocellatus, Brycon amazonicus, Colossoma macropomum, Leporinus macrocephalus, live food, Artemia nauplii

Citação

Coleções