Influência da irrigação durante as épocas seca e chuvosa na taxa de lotação, no consumo e no desempenho de novilhos em pastagens de capim-elefante e capim-mombaça

Resumo

The research was carried out comprising one rainy season and two dry seasons. The objective was to evaluate the influence of irrigation on stocking rate (SR), weight gain (WG) intake, nutrient intakes and in vivo digestibility in elephantgrass and mombaçagrass, under rotational grazing. Combinations of the two grasses and two irrigation levels (with and without) were evaluated. Data from dry season and rainy season were analyzed separately. Irrigation was performed restore up 100% mean evapotranspiration (ET0) of the last ten-year. A total of 40 and 16 crossbred steers European × Zebu was used as tester experimental animals in the rainy and dry seasons, respectively. Similar put-and-take animals were used as to adjust grazing pressure of the green leaves biomass. In the rainy and dry seasons, irrigation has enabled the rise in the stoking rate in both forages. In the dry season, irrigation reduced the weight gain in both forages, while in the rainy season, increased the weight gain in the mombaçagrass. Irrigation did not affect intake in any of the periods evaluated, but affect the digestibility of dry matter, which reduced in the rainy season and increased in the dry season. The highest stocking rates were obtained in the mombaçagrass, while, in the elephant grass, higher values were obtained for weight gain, intake and digestibility. The means stocking rates during the rainy and dry season for the elephant grass with and without irrigation and for the mombaçagrass with and without irrigation were 5.6, 4.5, 7.7, and 4.9 anim/ha and the values of WG of 0.64, 0.68, 0.50 and 0.60 kg/day. The effect of irrigation is more evident in the stocking rate than in weight gain of animals, and in intensive grazing production systems, animal productivity (kg/ha) is similar for mombaçagrass and elephantgrass. O experimento foi conduzido em uma época chuvosa e duas épocas secas com o objetivo de avaliar a influência da irrigação na taxa de lotação (TL), no ganho de peso (GPV), no consumo de nutrientes e na digestibilidade in vivo em pastagens rotacionadas de capim-elefante e capim-mombaça. Avaliaram-se combinações de duas forrageiras e dois níveis de irrigação (com e sem), além das épocas chuvosa e seca, analisadas separadamente. A irrigação foi realizada repondo-se 100% da evapotranspiração (ET0) média diária de dez anos. Como animais experimentais fixos, utilizaram-se 40 e 16 novilhos mestiços Europeu × Zebu nas épocas chuvosa e seca, respectivamente. Animais semelhantes foram utilizados como reguladores da biomassa de folhas verdes. Nas épocas chuvosa e seca, a irrigação possibilitou aumento da taxa de lotação nas duas forrageiras. Na época seca, a irrigação reduziu o ganho de peso vivo em ambas as forrageiras, enquanto, na época chuvosa, aumentou o ganho de peso no capim-mombaça. A irrigação não influenciou o consumo em nenhuma das épocas avaliadas, mas afetou a digestibilidade de matéria seca, que reduziu na época chuvosa e aumentou na época seca. As maiores taxas de lotação foram obtidas no capim-mombaça, ao passo que, no capim-elefante, obtiveram-se valores superiores de ganho de peso vivo, consumo e digestibilidade. As taxas de lotação médias nas épocas chuvosa e seca para o capim-elefante com e sem irrigação e para o capim-mombaça com e sem irrigação foram de 5,6; 4,5; 7,7; e 4,9 animais/ha e os valores de GPV de 0,64; 0,68; 0,50 e 0,60 kg/dia. O efeito da irrigação é mais pronunciado na taxa de lotação que no ganho de peso dos animais e, em sistemas intensivos de produção a pasto, a produtividade animal (kg/ha) obtida com os capins mombaça e elefante é similar.


Descrição

Assunto

digestibilidade in vivo, ganho de peso, in vivo digestibility, weight gain

Citação

Coleções